HEMOSSEDIMENTAÇÃO
Sinonimia
VHS, VSG, Velocidade de Sedimentação Globular
Exames relacionados
Proteína C Reativa, ASLO, Hemograma, Alfa 1 Glicoproteína Ácida, Fator Reumatóide
Indicação médica
A velocidade de hemossedimentação é útil no rastreamento de processos infecciosos, inflamatórios, neoplásicos e na arterite temporal. Altera-se também nas hipergamaglobulinemias, hiperfibrinogenemia, gravidez e na síndrome nefrótica.
Significado clínico
A velocidade de hemossedimentação (VHS) reflete o resultado entre as forças envolvidas no movimento de sedimentação das hemácias e os mecanismos oponentes exercidos por substâncias plasmáticas, principalmente o fibrinogênio e as proteínas de fase aguda.
A capacidade de agregação das hemácias depende de fatores ligados às mesmas, como a força de coesão entre as hemácias e sua carga elétrica, que tem uma força repulsiva que mantém as hemácias afastadas em condições normais, e fatores plasmáticos que têm como função atenuar o efeito das forças repulsivas.
A presença de processos inflamatórios leva a uma agregação maior das hemácias, formando agregados conhecidos como rouleaux. Esse fenômeno favorece o aumento da velocidade de sedimentação das hemácias.
O aumento da concentração plasmática de imunoglobulinas e fibrinogênio leva a uma diminuição da força repulsiva entre as hemácias, facilitando a agregação e aumentando portanto a VHS. A presença de proteínas anômalas, como no mieloma, de hemácias alteradas em número, forma ou tamanho e o uso de medicamentos podem levar a uma alteração da VHS, mesmo na ausência de resposta de fase aguda. As principais alterações que podem levar a um aumento significativo da VHS (=100mm na 1a hora) são processos infecciosos, doenças do tecido conjuntivo, neoplasias e doenças renais.
A velocidade de hemossedimentação (VHS) é um indicador não-específico de infecção e lesão tecidual. É útil para monitorar inflamação crônica, inclusive a atividade da doença como na artrite reumatóide. A VHS é mais útil do que a proteína C reativa para o diagnóstico e a monitorização da polimialgia reumática e a artrite de células gigantes, em que se encontra freqüentemente elevada durante a recaída. Homens entre 45-64 anos com VHS no limite superior têm duas vezes mais risco de morte de doença coronária do que os homens com VHS na faixa inferior, depois de ajustar outros fatores de risco.
O método tem alta sensibilidade com baixa especificidade, o que leva a alterações em inúmeras situações patológicas e em algumas situações fisiológicas como período menstrual, gravidez, temperatura, sexo e idade.
Preparo do paciente
Jejum não é obrigatório.
Tipo(s) de amostra
Sangue (EDTA)
Método
Westergren Modificado
Valor(es) de referência
Homes: Até 15 mm
Mulheres: Até 20 mm
Interferências
A presença de anemia importante ou de alterações morfológicas nas hemácias pode dificultar a interpretação do resultado.
Heparina aumenta os valores do VHS e o uso de antiinflamatórios diminui.
Prazo de entrega
0 dia(s)

voltar